quinta-feira, 19 de outubro de 2006

Acabaram as borlas

Sócrates não se limitou a pôr o socialismo na gaveta. Não contente com isso, pegou no respectivo móvel, encheu-o de cimento e atirou-o para a Fossa das Marianas, tentando garantir assim que ninguém mais lhe põe a vista em cima.

Isto a respeito do Orçamento do Estado que foi apresentado na Assembleia da República e que muitos amargos de boca promete para o próximo ano.

Uma das questões que estão em cima da mesa é a introdução de portagens em três SCTUs (Autoestrada Sem Custo para o UTilizador):

  • Na SCUT Costa da Prata a portagem vai ser cobrada no troço do IC1 entre Aveiro e o Porto, que inclui também a "nossa" A17.
  • Na SCUT do Grande Porto serão introduzidas portagens em todo o percurso do IC 24, entre Matosinhos e Espinho.
  • Na SCUT Norte Litoral, haverá portagens entre o Porto e Viana do Castelo.
Cai assim por terra uma das promess... desculpem, objectivos eleitorais do PS e que consistia em manter o carácter gratuito destas vias estruturantes. E o objectivo é o de sempre: poder poupar mais algum para fazer face às contas públicas. Onde está o PS que clamava que há mais vida para além do défice?

É certo que os custos são elevados e pode ser mesmo questionável a existência de vias com a qualidade de uma A17, A28 e A29 que sejam suportadas por todos e não apenas por quem as utiliza de facto. Mas isso é outra conversa...

Entretanto Élio Maia, presidente da Câmara de Aveiro, já se manifestou contra esta possível decisão por parte do governo central, por considerar que não existe uma via que seja alternativa viável a actual A17, podendo colocar novamente a estrada nacional 109, uma via fortemente urbana, sob uma forte sobrecarga rodoviária.

Sem comentários: