sexta-feira, 12 de janeiro de 2007

O Mal Interior

"Há sempre os que assumem a tarefa de defender Deus, como se a Realidade Última, como se a estrutura que sustenta a existência fosse qualquer coisa frágil e indefesa. Essas pessoas passam por uma viúva desfigurada pela lepra que pede moedas, passam por crianças vestidas de farrapos que vivem na rua e pensam: "A ocupação do costume". Mas se percebem uma desfeita contra Deus, isso é outra história. Ficam de faces vermelhas, os seus peitos incham poderosamente, e proferem palavras iradas. O grau da sua indignação é espantoso. A sua resolução assustadora.

Não conseguem compreender que é só no interior que Deus deve ser defendido, não no exterior. deveriam dirigir a sua fúria contra si mesmas. Porque o mal no exterior é apenas o mal do interior que foi liberto. O principal campo de batalha pelo bem não é o campo aberto da arena pública, mas a pequena clareira de cada coração. Entretanto, o destino das viúvas ou das crianças sem lar é muito duro, e é sem defesa de Deus, que aquele que é justo deve precipitar-se".

in "O Mundo de Pi", Yann Martel

O Mundo de Pi é o livro que ando neste momento a "rodar" na minha mesa de noite. Um livro espirituoso, divertido e delicioso que nos leva a ver a religião de um ponto de vista muito invulgar. A ler.

Sem comentários: