quinta-feira, 1 de fevereiro de 2007

De olhos em bico

Logo no primeiro dia da visita oficial do Primeiro Ministro à China, o Ministro da Economia teve outra das suas infelizes intervenções.

Em vez de apresentar Portugal como um país com potencial económico, um país que começa a primar pelos capacidade dos seus quadros superiores, pela sua mão-de-obra qualificada, o que é ouvimos?!... ouvimos uma promoção de Portugal com base na sua mão-de-obra barata. Isso mesmo... nos somos um país economicamente apetecível porque temos uma mão-de-obra cujo custo é inferior à média praticada na UE.

É isso que o nosso Ministro da Economia, e por extensão o nosso Primeiro Ministro, pensa de nós: a nossa competência reduz-se a um simples baixo salário. É tão apelativo neste aspecto que vemos sistematicamente notícias de empresas a "deslocalizar" para países do antigo bloco do leste europeu a procura de, deixa ver como se diz, isso: mão-de-obra ainda mais barata.

O drama do desemprego que se vive de certo modo em Portugal deve-se a esta política da promoção dos baixos salários. As empresas estrangeiras vêm, aproveitam os baixos salários, aproveitam os incentivos governamentais oferecidos para se instalarem, e quando surgem mercados de salários ainda mais convidativos, simplesmente põem-se a andar, fazendo tábua rasa dos acordos feitos.

Custa acreditar, que mesmo depois de todos os casos de empresas que encerraram directa ou indirectamente por causa deste tipo de promoção, continuem a insistir nesta ideia dos "baixos salários da Europa". E vão fazer este tipo de promoção num país onde salários baixos é palavra de ordem.

Deixa-se de lado os verdadeiros valores do país, esquece-se a verdadeira riqueza intelectual e profissional dos nossos quadros, para vender uma imagem que sinceramente não consigo compreender seja uma mais valia num país como a China.

Sem comentários: