segunda-feira, 21 de abril de 2008

(In)justiça portuguesa

Independentemente de saber de que lado está a razão, e sobre isso a opinião pública está algo inclinada para uma das partes, é de uma profunda indignação a aberração que a justiça portuguesa está a acometer contra uma criança que nada tem a ver com as trapalhadas que os adultos fazem, trapalhadas às quais temos que juntar aquelas que os adultos do tribunal têm vindo também a fazer.

Era (e é!) uma obrigação da justiça resolver este grave e delicado problema que está, em primeira linha, a penalizar fortemente uma criança que não consegue compreender o que está a suceder a sua volta, uma situação que eu ouvi hoje ser classificada de terrorismo psicológico.

6 comentários:

mimi disse...

É curioso, ouvi falar em superior interesse da criança! Alguem já se deu ao trabalho de lhe perguntar o quer, o que acha, o que deseja?
" Oh querida, desculpa lá mas tens de ir viver com o teu pai biológico, porque devido á forma como tudo se processa aqui, só agora foi possível pôr os papeis em ordem...O quê?
Não queres? Mas porquê?
Sim , nós sabemos que já vives com esses senhores há 6 anos, que eles é que são o teu modelo , que eles é que te seguram a cabeça para vomitar, te levam á escola, te dão colinho, te castigam quando fazes disparates, que te dizem que a vida tem coisas menos boas , mas que tu és forte, nós sabemos disso tudo, mas o TEU SUPERIOR INTERESSE, é que agora , ao fim e 6 anos , a tua cabecinha dê um nó, comeces a gostar de um senhor , que até é boa pessoa, mas que só agora te pode dar todas essas coisas, só agora ao fim de 6 anos é que tens de te adaptar a uma família nova ( e dizem os papeis ...a verdadeira) , só agora foi possível pôr em causa tudo o que sentes ser verdade, honestidade, protecção! "
Por favor, isto já é doentio ! todos sofrem, mas e ela? Será que nunca ninguém foi criança?
Esperemos que na suanatural e desejável corrida para se tornar uma adulta conscienciosa, não lhe passe pela cabeça ser juiza, ou advogada...ou coisa parecida, pois vai levar com ela recordações pouco doces!!!

mimi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
prc disse...

Não parece que só agora os papeis ficaram em ordem. Foi há quase 4 anos. E problema é este casal não respeitar a lei.

ana disse...

O que eu acho doentio é deixarem esta historia arrastar-se 5 anos durante os quais a criança continuou a ser criada por estes dois psicopatas que acham normal comprar uma criança, recusar entregá-la ao pai biológico aos poucos meses de idade (quando ficou comprovada a paternidade) e ter andado a desobedecer repetidamente a ordens judiciais e a esconder a criança este tempo todo... se acham isto uma vida normal e cheia de amor, a mim soa-me mais a filme de terror...

Anónimo disse...

Realmente a falta de cultura cívica continua a prevalece nesse triste país!!!
Bem, temos o que merecemos… ignorância…
Força Baltazar, a ESMERALDA só pode ser tua…

Tony Almeida disse...

Apenas um ponto de ordem: não pretendi e nem pretendo neste post defender qualquer posição a respeito da justiça que está a ser feita - a criança ficar com o pai biológico ou afectivo. Quis apenas salientar a lamentável falta de atitude de um tribunal - a nossa justiça - permitir que uma criança sofra tão doloroso e prolongado sofrimento: o interesse da criança atirado para a sarjeta.