sábado, 24 de maio de 2008

Boicote!!

Porque é por demais evidente que não existe mercado livre;

Porque é evidente que os preços praticados pelas petrolíferas no mercado de abastecimento automóvel é o igual;

Porque é evidente que as empresas petrolíferas recorreram ao aumento dos preços em dias distintos assim que a opinião pública e a comunicação social começaram a criticar os aumentos dos combustíveis;

Porque é evidente que o consumidor está a ser "comido de cebolada" pela grande indústria petrolífera e pelo mercado especulativo das matérias primas;

Por tudo isto: Basta!

A Galp, a BP e a Repsol enveredaram numa autêntica novela rocambolesca de aumento de combustíveis, com a Galp a fazer o papel de bobo, tão ridícula foi a situação de não aumento que se deu a meio da semana, culminando com um aumento efectivo à meia-noite de hoje.

As empresas petrolíferas vêm a praça pública arrogar o papel de coitadinhos, a declarar que os preços praticados nos combustíveis de todas as marcas é o mesmo porque margens de lucro baixas no mercado de retalho e a pedir a descida do imposto sobre produtos petrolíferos como se fossem eles as verdadeiras vítimas do movimento especulativo que tem alimentado os preços historicamente elevados do crude.

No meio disto tudo, o consumidor português continua a pagar um preço muito elevado pelos combustíveis, um preço que ganha outras proporções se se comparar o rendimento médio nacional com o resto da Europa.

O boicote é assim uma arma que permitirá ao consumidor definir a sua posição, dizer basta! e deixar claro que não se está mais na disposição de aceitar de forma passiva decisões que penalizam o futuro de cada um de nós.

Tem circulado por e-mail e por SMS uma mensagem que procura sensibilizar o público para evitar o abastecimento junto dos três grandes da indústria petrolífera representados em Portugal - Galp, BP e Repsol -, um boicote que deverá ter lugar dos próximos dias 1, 2 e 3 de Junho. Por mim, este boicote deveria ser mais extenso no tempo e, no meu caso, já comecei.

Mas será suficiente?

Não. Sendo senhores da nossa carteira, somos nós quem decidimos onde abastecer. Poder-se-á infligir alguns amargos de boca no mercado de abastecimento automóvel, mas a verdade é que o movimento especulativo e a indústria petrolífera não depende apenas de enchermos os nossos depósitos.

O mercado petrolífero é muito mais complexo do que apenas decidir a quantidade com que pretendemos abastecer numa bomba de gasolina e está muito para lá das estações de serviço.

Vivemos numa sociedade em que o petróleo e derivados se entranharam nos interstícios da sociedade, de tal forma que actualmente funciona como matéria consolidante, uma sociedade sustentada num passado geológico que temos vindo a libertar a um ritmo alucinante.

O petróleo não está apenas nos nossos depósitos de combustível: está na energia eléctrica que consumimos e numa miríade de artefactos e utensílios que usamos no nosso dia a dia, muitas vezes sem imaginar que a nossa pré-história está aí entranhada.

O preço do petróleo reflecte-se não apenas no custo do gasóleo e da gasolina. O seu aumento origina um efeito em cascata que se repercute nos mais diversos bens que consumimos diariamente.

O crescimento do consumo mundial, agravado pelos mercados emergentes do oriente, pela instabilidade política nos países africanos produtores de petróleo, a instabilidade política que o presidente George W. Bush fez questão de agudizar no Médio Oriente e os fenómenos climatéricos cada vez mais adversos no Golfo do México (apenas para enumerar os mais relevantes) - tem servido de justificação para que os especuladores do mercado levassem os preços do crude para níveis quase impensáveis há algum tempo atrás.

Estamos actualmente a viver dias de mudança: uma mudança da sociedade tal como a conhecemos, uma mudança de hábitos - hábitos de consumo energéticos, em particular.

Naturalmente que fazer boicote ao abastecimento é uma maneira de dizer que estamos atentos e que não admitimos que nos atirem areia aos olhos. Não só concordo, como actualmente o faço. Mas esta atitude por si só não resolverá os nossos problemas. Temos que pensar mais longe e orientar as nossas decisões não apenas para o depósito do nosso automóvel mas para toda a nossa vida, olhando com atenção para a maneira faustosa como ainda gastamos energia, nas suas mais diversas formas.

1 comentário:

JPC disse...

Bom trabalho, quanto mais Boicotar melhor...ver outro comentário em http://so-buracos.blogspot.com/2008/05/oil-prices-reach-new-record-in-one-of.html