sábado, 17 de maio de 2008

Estupidez

Perante isto só me ocorre uma palavra: Estupidez!

Fiscalização da ASAE:
Instituições de solidariedade obrigadas a deitar comida fora


Uma estupidez que atinge proporções inconcebíveis quando lemos que «exige que as cozinhas tenham os mesmos requisitos que as de um restaurante, proíbe as instituições de aceitar alimentos dados pelas populações e deita fora toda a comida congelada em arcas normais». Instituições de solidariedade, que não têm em vista qualquer tipo de lucro e apenas pretendem ajudar o próximo, são tratadas como entidades criminosas.

Claro está que o artigo é omisso quanto às instituições que foram alvo da fúria implacável da ASAE, que pelos vistos, tem que cumprir com resultados mínimos de actuação.

Para instituições como lares de terceira idade, nos quais os utentes pagam para usufruir de algum apoio social, acho correcto que a ASAE esteja atenta. Agora, para aquelas instituições que agem sem qualquer tipo de contrapartida financeira de quem assiste, acho que a ASAE estará, como sempre, a primar pelo exagero.

Não poder aceitar géneros alimentícios das populações é absurdo. Tomemos por exemplo o Banco Alimentar, pode receber géneros alimentícios? Quem me garante que eu entrego um saco com produtos acabados de comprar no hipermercado onde as equipas do BA se encontram? E se ao Banco Alimentar é reconhecida a competência de verificar se os produtos estão próprios para consumo, porque é que não podem as restantes instituições?

Ter que deitar fora alimentos guardados em arcas normais? Ou seja, não podemos confiar nas arcas congeladoras que temos em casa? E se podemos porque é que uma instituição de solidariedade social não pode? Por acaso estes produtos não terão uma grande rotatividade?

Sinceramente, apesar de reconhecer que a ASAE tem algum desempenho meritório em situações de grave atentado à saude pública em alguns estabelecimentos, este organismo é capaz de cair em situações extremas que acabam por penalizar pessoas e instituições que mereciam outro tratamento.

Sem comentários: