quinta-feira, 29 de maio de 2008

Mais uma vez enganados!

Tem sido apanágio deste governo anunciar com pompa e circunstância medidas que parecem ser abrangentes, sociais e justas, e na verdade vem-se a verificar que tudo não passa de um circo mediático, recheado com uma dose de demagogia q.b., para desta forma minimizar os estragos que o descontentamento inflige na barómetro da popularidade do executivo e, em particular, do primeiro-ministro.

Isto a respeito da medida anunciada no último debate parlamentar com o governo, cada vez mais usado como púlpito para a dita campanha demagógica, em que José Sócrates fez questão de anunciar que seriam congelados os passes sociais dos transportes públicos.

Até aqui tudo bem. Pena é que se tenha esquecido de referir que esta medida seria apenas para Lisboa e Porto!

No resto do país os passes sociais aumentaram 6% em Julho, cumprindo-se assim o aumento intercalar previsto.

Cultiva-se assim cada vez mais a ideia de que Portugal está centrada nas grandes metrópoles. No resto do país, não bastando o facto de haver muitos lugares em que o transporte público é um mau serviço (quando o há!), ainda por cima as populações são obrigadas a suportar maiores custos.

E já agora, alguém avise o Vital Moreira

2 comentários:

Raposa Velha disse...

Pois é caro amigo, vivemos num país bipolar, psiquitrica e politicamente.

Volta e meia passo num blog que se chama "Regionalização" e, como se depreende do nome, é um arauto da dita. Está em http://regioes.blogspot.com. Defende-se nesse espaço a harmonização do país pela respectiva divisão administrativa. Será que resultaria? Não sei, quiçá. Mas constato que o centralismo que temos decorre da concentração económica em alguns pólos urbanos, Porto e Lisboa, sobretudo. E isto nunca a regionalização resolverá.

Esta questão dos congelamentos é apenas um episódio deste cenário.

Tony Almeida disse...

De facto, temo que a regionalização não seria o caminho para resolver este problema.

Sócrates afirmou hoje na Assembleia da República que a promessa apenas se referia aos transportes públicos de Lisboa e Porto porque estes dependem directamente do Orçamento de Estado enquanto que os outros serviços de transporte públicos são da responsabilidade das autarquias, portanto cabe apenas a elas a decisão de acompanhar o governo em acções semelhantes. O governo, esse, já apoia em renovação de frota, sistemas eficientes, blá, blá, blá...

Depreendo das palavras do "nosso" primeiro que ele não vê problema nenhum em termos nós todos que pagar para que apenas os habitantes de Lisboa e Porto tenham direito a passes a preço congelado.

O mesmo primeiro que há um par de dias dizia que era injusto que todos os contribuintes pagassem a descida do ISP em benefício daqueles que têm automóvel. Um argumento em si falacioso uma vez que os preços dos bens alimentares acabem eles próprios por ver reflectidos os aumentos escandalosos que o mercado especulativo internacional tem praticado.

"É a vida..."