quinta-feira, 5 de março de 2009

Foi por uma unha negra!

Foram apenas uns miseráveis 72.000 km que separaram a Terra do pequeno asteróide 2009 DD45, um "calhau" com perto de 30 metros de altura que por um triz não acertou no nosso amado (e muito maltratado) planeta no passado dia 3 de Março.

"72.000 km?! Mas isso é uma distância muito grande!" Bem, eu particularmente não me posso gabar de ter uma boa pontaria, mas nunca falharia um alvo por uma distância destas. No entanto, 72.000 km é uma distancia completamente irrisória. Se atendermos que em astronomia as distâncias são comummente tratadas em anos-luz (que corresponde à distância percorrida pela luz num ano, e que é qualquer coisa perto dos 1013 km, ou seja um dez seguido de 12 zeros: nem o euromilhões dá prémios tão grandes) e, numa escala mais "pequena", em Unidades Astronómicas (que corresponde à distância entre a Terra e o Sol, apenas uns meros 150 milhões de quilómetros), é possível verificar quão irrisória é a distância de 72.000 km.

Continuando ainda com as comparações, se tivermos em conta que a Lua dista da Terra de apenas uns meros 385.000 km, vemos que o asteróide passou a praticamente um quinto desta distância. Finalmente, 72.000 km corresponde a pouco mais do dobro da distância a que se encontra um satélite geoestacionário.

Finalmente, se este asteróide tivesse atingido efectivamente a Terra, estimava-se uma destruição semelhante ao asteróide que em 1908 atingiu Tunguska (Sibéria), onde foi devastada uma área de aproximadamente 2.000 km quadrados (não deixa de ser curioso que vi um documentário sobre este assunto no canal História na semana passada).

O que mais impressiona, e preocupa!, em todo este caso é que este asteróide apenas foi detectado no sábado passado!

Para os mais curiosos, pode ser consultada uma animação muito interessante aqui.

Entretanto, será conveniente pôr o Bruce Willis em alerta, pelo sim, pelo não.

Sem comentários: